Música + Informação

AutoRock Campinas/SP

Punknet | 14/06/2017 | Comentários desativados em AutoRock Campinas/SP | Colunas

O feriado do Corpus Christi é uma data bem bacana. Praticamente uma mini férias em pleno Junho. No entanto, feriadão meio morto (como o próprio nome diz), por ser às portas do inverno, tem um clima meio esquisito para tirar aquele lazer no litoral e, por feriado, faz com que qualquer rolê custe os olhos da cara.

 

A menos que você viaje para uma cidade bacana, perto da capital paulista, e de várias outras cidades do interior, para curtir um baita festival gratuito. No caso, a 10ª Edição do Festival AutoRock. O fest está rolando com uma extensa agenda desde o dia 08/06, com eventos e shows em distintos picos da cidade, se você mora na região, dá uma olhada na programação aqui.

 

No entanto, é sobre o domingão, dia 18/06, que eu gostaria de falar com vocês hoje. Nessa data ocorrerá o encerramento do AutoRock juntamente com o Festival Café in Sônia, na Estação Cultura, Praça Marechal Deodoro, região central de Campinas/SP. Começa às 14h, acaba no máximo às 22h, dá tempo de voltar pra casa, pra sua cidade, dormir e retomar o batente opressor na segunda-feira.

 

 

IMG_2765
“Mas o que rolará de tão especial nessa data e nesse local?”. Vou até arregaçar as mangas – à lá Dona Florinda – e passar minha melhor colônia – à lá Seu Madruga – para digitar sobre as atrações do festival.

 

Malni, banda que conta com verdadeiros carros fortes do banco central do Hard Core/Rock Alternativo nacional, como o Ezekiel Underwood (Ludovic, Mudhill, Shed, Reffer) e o Marcelo Cunha (Zander e da maravilhosa fábrica de zines “A Besoura”). Aquele som bem rasgado, Punk Rock de raízes bem fincadas no overdrive sujo, vocais contínuos e 1-2-1-2 na bateria (com algumas quebras para o 3).
https://soundcloud.com/malni
Jogando em casa tem a banda Aquëles, Hard Core/Punk Rock espivetado, de canções curtas, rápidas e divertidas, que, ao meu ouvir, faz parte do universo de bandas irônicas do underground brasileiro, como Muzzarelas, Mukeka di Rato e Leptospirose.

https://soundcloud.com/aquelesrock

 

De sonoridade límpida, mesclando influências de indie, grunge e shoegaze, a Justine Never Knew The Rules faz um rock que transita entre o dançante e a melancolia, nos lembrando de como a vida é um grande emaranhado de situações passageiras – além de trazer no nome a gostosa lembrança de uma das mais belas canções do Smashing Pumpkins.
https://justineneverknewtherules.bandcamp.com/
Vou até limpar a lente dos meus óculos para escrever sobre a Circus Boy. Os conheci em 2014, quando tocamos em uma mesma tarde no saudoso “Quintal do Gordo”. Banda que pode rapidamente ser classificada como “Stoner Rock”, em uma audição atenta traz minúcias de influências diversas, percebidas a cada música. O show deles é muito enérgico! https://bandacircusboy.bandcamp.com 

 

Sobre o Topsyturvy, honestamente, tenho tanto por dizer, que prefiro utilizar uma definição que ouvi outro dia dum cara no show deles: “São o Rage Against The Machine brasileiro”, adicionaria ainda que em suas músicas quebram qualquer lógica métrica, temporal ou linear que pode haver na música. https://topsyturvy.bandcamp.com/
O Alexandre ‘Sesper’ Cruz você já conhece, vocalista do glorioso “Garage Fuzz”, e homem de frente de projetos artístico-visuais belíssimos, se apresentará junto com o Alexandre Sesper Cruz Trio. Sonoridade rock dançante, vocais envolventes. Estou ansioso por ver esse show. https://acruzsesper.bandcamp.com
Vi que há um lago perto de onde ocorrerá o festival, talvez por isso haverá show dos capivaras selvagens do Water Rats. Reúnem com muita força e originalidade as bases do Grunge com o Punk, e, como disse outro dia aqui no PunkNet, as apresentações deles são dinâmicas, explosivas, inquietas. https://waterrats.bandcamp.com/
 
E pra fechar o fechamento do festival, a rapaziada mais amores possíveis do Francisco el Hombre. Conjunto que se formou na própria Campinas e ganhou o mundo com muita disposição e muitos ritmos (sobretudo um mergulho profundo em todas as águas que banham as sonoridades da América Latina). Já senti pisos de concreto tremerem durante show deles. https://franciscoelhombreband.bandcamp.com/

 

É isso jovens, planejem-se para este domingão em Campinas! Não é todo dia que se tem a nata do rock nacional contemporâneo tocando em um espaço cultural de graça em uma cidade agradável.
 

Por: Gabriel Coiso 

Comments

comments