Música + Informação

Rawfire, Horace Green e Manual em São Paulo

Punknet | 05/05/2013 | Comentários desativados em Rawfire, Horace Green e Manual em São Paulo | Matérias
Manual por:  Renata Monteiro – @rehmont

Manual por: Renata Monteiro – @rehmont

Em uma sexta feira quente, tivemos um verdadeiro rolê hardcore old school, no Rock Together Studio, cujo dono é nada mais, nada menos que o Tyello Silva ex-Dance Of Days, que agora integra a banda Manual. Antes do início das atividades, aquecimento para os shows com amigos, cervejas e comemoração do aniversário do Fox, guitarrista do Horace Green.

Manual foi a primeira a se apresentar. Formada há apenas três meses por Nando (vocal), Tyello (guitarra/vocal), Adriano (guitarra), Mario (baixo) e Cauê (bateria), a banda tem experiência de sobra devido ao currículo dos seus integrantes. Começaram o show com uma intro, seguida da primeira música “Sub-vida”. Com guitarras pesadas, o grupo seguiu em constante movimento, dando sequência com “Reflexos”, música até então não gravada e que vai compor o EP de estreia.

Depois foi a vez de “Dont Wanna Know If You Are Lonely”, cover da banda americana Husker Du. Também marcaram presença as faixas “Retina” e “Simples”, sendo que essa última possui um clipe recém lançado. Com uma presença impecável da banda, eles mostraram o porque de estarem nesta jornada hardcore. Há tempos não ouço e nem vejo um show tão bem executado como este. Chegando ao final, mandaram mais um cover, agora de “Silly Girl” da banda californiana Descendents, encerrando com “Mitral”, primeira música lançada pelos caras.

Manual por:  Renata Monteiro – @rehmont

Manual por: Renata Monteiro – @rehmont

Logo após, foi a vez do Horace Green subir ao palco. Formada por Shamil (vocal), Guilherme (guitarra), Clayton (baixo) e Fernando (bateria), eu não conhecia muito a banda e tive uma baita surpresa. Abriram com “Colorado”, música com muitos berros e com os fãs cantando junto, seguindo com “Virtual” e “Seu Pior Inimigo”, que tem riffs poderosos e uma presença marcante do Shamil.

Depois de uma breve pausa, um discurso do vocalista, dizendo que “a cena tem gente babaca, idiota e amigo. Se junte com os seus amigos sempre”. O show seguiu com a faixa “Cinco”, com sua letra um tanto motivadora com berros de “obrigado por ser forte” repetitivamente. O set seguiu com um cover da banda “Minor Threat”, com participação de Deco, amigo da banda que junto com Shamil deu muitos pulos e berros tornando o ambiente completamente hardcore. E, chegando ao final, “Homem Coletivo”, com a galera agitando com muitas palmas. Antes do fim, agradeceram a todos os presentes, lembraram que o novo trabalho sai na semana que vem e terminaram o show com a música “Vítima”.

Horace Green por:  Renata Monteiro – @rehmont

Horace Green por: Renata Monteiro – @rehmont

E, com a sua energia mais que habitual, no aquecimento para desembarcar no Rio de Janeiro para uma mini-tour, Plínio (vocal), Danilo (guitarra), Pedro (guitarra), Diego (baixo) e Jaime (bateria) deram inicio aos trabalhos do Rawfire ao som de “Sort Of A Track”, que abriu caminho para “C.W.B.” Presença de palco sempre incrível e energia de sobra.

“Bones”, “Wishing Unhappy A New Life” iam embalado muito bem o clima de total amizade, com muita energia positiva, que tornava a apresentação cada vez melhor, e estava presente em cada acorde, riff, quebrada da batera ou no vocal excepcional de Plínio. “Keep In The Garage”, “M.O.A.H.”, “I Told You So”, “Quick Message, Slow Mode”, “I Beg To Differ” , “Sunrise”,  deram  continuidade. A boa pegada e participação da galera deram um toque a mais, abrindo caminho para “Friendship” e “Capitulate”, dando um ponto final na performance dos caras.

Noite encerrada ao som de ótimas certezas, afinal, bandas como essas já deixaram o título de “apostas” para trás e tem tudo para consolidar cada vez mais seu espaço no underground. Shows marcados pela amizade e união que fazem toda a diferença para a cena. E que o Rock Together Studio continue abrindo suas portas para eventos como esse.

Confira mais fotos aqui por:  Renata Monteiro – @rehmont

Texto por: Jutahir  Goularte – @JutahirGoularte

Comments

comments